Grande sucesso para os gorilas-das-montanhas

Gorila com balão de texto "Thanks, humans" (Foto: Flickr / weesam2010 - Lizenz: CC BY-NC-SA 2.0) (© Flickr / weesam2010 (Lizenz: CC BY-NC-SA 2.0))

22 de jun de 2014

Podemos esperar novamente que os últimos gorilas-das-montanhas do nosso planeta sobrevivam: a empresa britânica Soco International Plc cedeu e retirou os planos para a exploração petrolífera no Parque Nacional Virunga. E em breve as investigações no Lago Eduardo também devem ser terminadas.

A exploração petrolífera teria destruída a terra natal dos raros antropóides no Parque Nacional mais antigo da África. Além da guerra civil na República Democrática do Congo que já ameaça os homens, animais e as florestas.

A decisão representa um enorme sucesso depois de anos de protesto por ativistas no local e defensores da natureza e de animais de todo o mundo. Cerca de 380 indivíduos dos gorilas-das-montanhas ameaçados de extinção vivem nas florestas tropicais de Virunga – juntamente com muitos mais animais selvagens como elefantes, hipopótamos e chimpanzés.

Salve a Salve também tinha apoiado a campanha com petições (ver Virunga: exploração petrolífera na terra dos gorilas). Em Março deste ano 68 mil pessoas assinaram o nosso apelo ao gerente da Soco. Nós apoiamos o trabalho dos ambientalistas no local com doações no montante de 90 mil euros (280 mil reais).

Já em 2013 a empresa petrolífera francesa Total se tinha retirado de Virunga por causa da pressão pública. A UNESCO também se tinha pronunciado várias vezes em contra das atividades de empresas petrolíferas na floresta de Virunga. O Parque Nacional no Leste do Congo abrange uma área de 790 mil hectares e faz parte do Patrimônio Natural da UNESCO desde 1979.

Agora o governo da República Democrática do Congo deveria enviar um sinal e retirar definitivamente as concessões no Parque Nacional Virunga – para a proteção da natureza e o futuro dos moradores. Nas margens do Lago Eduardo no Parque Nacional cerca de 50 mil pessoas vivem principalmente da pesca e do ecoturismo.

Porém, os ativistas locais manifestam-se mais cautelosos. Eles remetem para o fato de a Soco ainda quer completar as investigações sísmicas no terreno. E nos bastidores a Soco parece pressionar o governo para que levante o estatuto de proteção de Virunga ou desloque os limites do Parque Nacional. O vice-presidente da empresa proferiu tais declarações para com o jornal Times.

Aqui vocês podem fazer uma doação para apoiar o Parque Nacional Virunga:
http://www.salveaselva.org/doacoes/130/congo-protetores-dos-gorilas-na-miseria