Ikea destroi florestas primárias para móveis

Máquinas de desmatamento e troncos
66.575 participantes

O grupo IKEA é responsável pelo de corte raso de madeira nas florestas da Rússia, incluindo até mesmo florestas primárias. Árvores centenárias são cortados e os solos sensíveis são destruidos pelos pneus pesados das máquinas de colheita.  Assim não funciona a "gestão florestal responsável", que Ikea promete ao seus clientes.

Apelo

A mesa de madeira Jokkmokk, que vem com quadro cadeiras, se vende na Ikea por apenas 129 Euros. O produto é descrevido como: "Pinho maciça, um material natural que envelhece muito bem." O grupo vende 100 milhões de peças de mobiliário por ano, e tem lojas de móveis no mundo inteiro. A demanda por madeira é gigantesca: mais de 12 milhões de metros cúbicos. A natureza paga o preço.

De onde vem a madeira barata?

Grande parte da madeira vem do extremo norte da Rússia, como revelam os finísimas anéis de crescimento dos árvores. No ar frio próximo ao Círculo Polar Ártico, as árvores crescem muito lentamente. Apenas na Carélia,  300.000 hectares de floresta natural foram arrendados pela empresa Swedwood, uma subsidiária da Ikea. Desde então a floresta primária local está desaparecendo.

As máquinas de colheita precisam só alguns segundos para cortar as árvores centenárias da Carélia.  Cada máquina corta 800 árvores por dia. Os troncos são cortados, desgalhados e empilhados para a transferência para a fábrica de móveis. Os pneus enormes deixam cicatrizes profundas no solo sensível. Vai demorar décadas para a floresta se-recuperar. Cada dia mais florestas virgens ricos em espécies são derrubadas por Ikea. O corte raso resulta em áreas estéreis e sem vida.

Corte raso com o rótulo ecológico FSC

Mesmo assim Ikea mantém que o desmatamento destas florestas é ambientalmente sustentável. O grupo refere-se a certificação da organização internacional Conselho de Administração Florestal (FSC). O corte raso em Carélia é certificado com o rótulo ecológico.  Há muito tempo ambientalistas criticam fraudes com o selo FSC.

Mais informações

Por favor, apoia o protesto do grupo ambiental sueco Protect the Forest! Ikea deve parar imediatamente com o corte raso das florestas naturais.

Mais informações

Corte raso com o rótulo ecológico FSC

Ikea mantém que o desmatamento das florestas primárias é “ambientalmente sustentável”. O grupo refere-se a certificação da organização internacional Conselho de Administração Florestal (FSC). O corte raso na Carélia é certificado com o rótulo ecológico da empresa alemã FSC International Center GmbH. "Deixamos até 16 ou 17 por cento das florestas, que são particularmente sensíveis, intactas. Isso é bem acima das exigências legais e do FSC.", diz a porta-voz da Ikea Josefin Thorell para se defender contra as acusações dos ambientalistas.

“Já alcançamos muito , mas isso é só o inicio”, diz Steve Howard, chefe de sustentabilidade do Grupo IKEA.

A reportagem da estação de televisão alemã ARD "Móveis da Ikea: madeira de florestas virgens" mostra um ângulo muito diferente. Os ambientalistas criticam o selo do FSC há algun tempo.

As normas não são respeitadas na prática, o resultado  são centenas de certificados questionáveis. O FSC-Watch documenta isso desde muitos anos. Na Escandinávia e também nas florestas virgens tropicais muitos árvores estão sendo pilhados com a bênção do rótulo da indústria madeireira.

Mas a origem da madeira não é o unico problema  na Ikea: cada ano o grupo processa 40.000 toneladas de óleo de palma, usado principalmente para a produção de velas e outros itens, como doces. Para o cultivo das palmeiras de óleo a indústria destroi as florestas tropicais. Mas a Ikea justifica isso com outra etiqueta de lavagem verde, chamado "Mesa Redonda de Óleo de Palma Sustentável (RSPO)."

Carta

Prezado Senhor Bretzel,

Ikea diz que dá valor a "sustentabilidade" e quer uma "indústria madeireira responsável". Mas o que está acontecendo na Rússia não tem nada a haver com isso. Na Carélia, a subsidiária Ikea Swedwood desmata uma área de concessão de 300.000 hectares para atender as necessidades de madeira do grupo para a produção de móveis. Além disso Swedwood compra grandes quantidades de madeira de outras empresas na Carélia.

Grandes máquinas de colheita invadem as florestas virgens, destruindo ancestrais florestas primárias totalmente intocadas pelo homem. O corte raso resulta em áreas desertas. A biodiversidade é destruída e os pneus dos tratores pesados destroiem o solo florestal. Vai demorar décadas para a floresta se-recuperar. Apenas restam 10 por cento da Floresta Boreal.

O corte raso com máquinas pesadas de colheita e o corte de árvores centenárias não merecem um “rótulo ecológico”. O certificado da empresa alemã de Bonn FSC International Center GmbH e a certificação de concessões madeireiras para Swedwood são altamente questionáveis. Há anos que o FSC está sendo criticado por grupos ambientalistas por causa de seus padrões frouxos, centenas de certificações questionáveis (por exemplo: www.fsc-watch.org). Por isso, nos não reconhecemos o rótulo da Associação Forest Stewardship Council (FSC).

Apesar das queixas legais dos grupo ambientalistas Protect the Forests da Suécia e SPOK Karelia da Rússia, as práticas destrutivas da Swedwood continuam. Uma das maiores estações de TV da Alemanha já fizeram uma reportagem sobre assunto em novembro de 2011.

Por favor, cessem imediatamente o corte raso destas florestas. As últimas florestas primárias da Rússia devem ser preservados, em vez de ser usados como matéria-prima para produtos baratos da Ikea.

Com os melhores cumprimentos,