Desmatar para produzir energia? Não, obrigado!

Uma árvore velha, árvores derrubadas apodrecendo na Floresta Bialowieza, na Polônia Esta sim é que deveria ser a aparência das florestas (© Adam Ławnik)

A UE está decidindo sobre a ampliação das energias renováveis até 2030. A madeira é a mais importante dessas fontes de energia. No futuro, mais madeira ainda deve ser tirada das florestas. Temos de protegê-las disso, pois as florestas européias vão mal, a diversidade das espécies está desaparecendo. Por favor, assine nossa petição.

Apelo

Para: Comissão Européia, Parlamento Europeu, Conselho de Ministros, Países-Membros da UEE

A UE quer explorar as florestas ainda mais, só para extrair madeira e usá-la como combustível. Ponha fim à política bioenergética da UE!

Abrir a petição

Imagine um cubo gigante feito de troncos de árvores, com as seguintes medidas: quase 760 metros de comprimento, 760 m de largura e 760 m de altura. Esta é a quantidade de madeira que queimamos por ano na UE, para gerar calor e eletricidade.

Energias renováveis devem proteger o clima e estimular a economia. No centro da cobertura midiática estão o a energia eólica, aquática e solar. Mas na prática, essas fontes produzem apenas 1/3 das energias renováveis. Os outros 2/3 são produzidos por biomassa. Quase 440 milhões de metros cúbicos (m3) de madeira e seus restos perfazem a grande parte das energias renováveis da UE.

Não apenas troncos são picotados para isso, galhos e ramos também. Em parte, escavadeiras tiram até mesmo os tocos da terra. Ecossistemas vivos são degradados, tornando-se um empreendimento florestal chato. Cada vez mais madeira deverá ser extraída das florestas, sem contar as plantações madeireiras e importação de conglomerados de madeira.

Enquanto isso, nossas florestas vão mal, como mostra o Relatório Anual sobre o Estado das Florestas do governo federal alemão. Três quartos das espécies de animais e habitats encontram-se, segundo informações do Ministério Alemão do Meio-Ambiente, em estado ruim ou insatisfatório. A diversidade das espécies está ameaçada.

Queimar árvores em massa não tem nada de pró-clima, tal como escrito por 800 cientistas à UE. Isso porque é discutível se as matas hoje queimadas crescerão de novo e serão capazes de captar CO2.

Em vez de otimizar florestas para a produção de madeira, precisamos é de uma gestão das florestas mais perto da natureza. Árvores velhas ou mortas, são, nesse ponto, um espaço de vida importante. Ademais, 5% das florestas devem permanecer não exploradas.

Por favor, assine nossa petição para proteger as florestas e seus habitantes.

Mais informações

Política Energética de Energias Renováveis da EU

A União Européia (UE) quer ainda mais crescimento econômico, fomentando, para isso, a ampliação do uso de fontes de energia renováveis. Em 2020, estas deverão perfazer pelo menos 20% do consumo de energia, isto a UE já decidiu em 2009, com a Diretiva relativa às energias renováveis. No momento, a UE está negociando sobre a implementação da política energética ajustada em 2014, segundo a qual até 2030, esse percentual deverá aumentar para 27%.

Mas o que significam esses planos para a natureza e, sobretudo, para as florestas?

Na UE, só em 2015 já foram utilizados 440 milhões de metros cúbicos de biomassa, sobretudo madeira, para a produção de energia. Na Alemanha, onde se avalia que esse uso, em 2010, foi de 80 milhões de metros cúbicos, já se usa mais madeira queimando-a para a produção de calor e energia do que para a produção de móveis, papéis ou embalagens (76 milhões de metros cúbicos por ano).

Os países da UE importam cada vez mais madeira, isto é, cavacos de seus resíduos e conglomerados para a produção de energia. 21,7 milhões de tais cavacos são queimados anualmente para produzir energia, sendo ainda introduzidas cerca de 6,6 milhões de toneladas de conglomerados de madeira da América do Norte, bem como 1,4 milhões de toneladas da Rússia e da Ucrânia. Desse modo, máquinas picotam florestas em cavacos e conglomerados de madeira, globalmente, para satisfazer as nossas necessidades.

A queima de madeira não apenas libera dióxido de carbono das árvores para a atmosfera, a fumaça e a poeira produzida causa emissões severamente danosas para a saúde, as quais podem causar males do coração, do aparelho circulatório e respiratório, câncer, asma e outras doenças. Milhares de pessoas morrem disso por ano na Europa; segundo estudos, o número anual de mortos chega a 40.000.

Como está a situação em nossas florestas?

Na UE, as áreas verdes estão espalhadas em cerca de 182 milhões de hectares. A maior parte dela  é floresta de exploração, destinada preponderantemente à produtividade e à rentabilidade, portanto, à máxima produção de madeira no mais curto espaço de tempo.

 Na Alemanha, 54% das áreas verdes é, no mais das vezes, de exploração de coníferas de outras localidades (abetos, lariços, pinheiros) e coníferas exóticas como o abeto de Douglas. Por outro lado, árvores folhosas e, sobretudo, florestas de faias crescem em apenas 43% das áreas verdes. Florestas velhas de folhosas, que corresponde à vegetação natural em potencial – isto é, florestas com mais de 160 anos – ocupam apenas 2,4% das áreas verdes alemãs.

De acordo com os resultados do mapa “Potencial vegetação natural alemã”, publicado pelo Departamento Federal Alemão de Proteção à Natureza”, florestas de faias de diferentes tons predominariam na Alemanha, com 67% das áreas, ao passo que as coníferas chegariam a apenas um porcentual de cerca de 1% (!).

Do ponto de vista ecológico, as florestas de exploração estão em um estado desolador. Elas oferecem, em termos comparativos, pouco espaço e alimentação para espécies de plantas e animais. Isto também é o que dizem os estudos ambientais do governo federal alemão e da UE. Tanto o relatório do Departamento Federal Alemão de Proteção ao Meio-Ambiente (“A situação da Natureza na Alemanha”), como o Relatório da Comissão Européia (“A Situação da Natureza na Europa”) concluíram que ¾ de todas as espécies de animais e plantas encontram-se em estado insatisfatório ou ruim. A diversidade das espécies continua a se reduzir, ameaçando extinguirem-se das florestas nativas.

Em contraposição, florestas nativas ou conservadas proximamente à natureza são habitats importantes e territórios de vida para uma diversidade enorme de espécies. Na Alemanha, em virtude do lobby da indústria madeireira e de exploração florestal, apenas 2% das áreas de florestas são resguardadas da exploração.

Em vez de uma exploração florestal visando cada vez mais à máxima produção madeireira, precisamos é de florestas preservadas e mais próximas da natureza. Isso porque florestas realizam funções mais importantes do que meras fornecimento de madeira. São elas que conservam a biodiversidade e o solo, armazenam água potável e regulam o ciclo da água, exercendo uma função de proteção contra enchentes. Elas armazenam enormes quantidades de dióxido de carbono, produzindo efeito compensador para o clima, bem como limpam o ar poluído pelas indústrias, domicílios privados e pelo trânsito, além de serem  importante para lazer e descanso.

Números referentes ao tema “Energias Renováveis”, “Bioenergia” e “Madeira como combustível

Video sobre a questão de a queima da madeira ser, realmente, neutra para o clima: https://www.youtube.com/watch?v=FMCQDTMcsaQ&t=5s

FERN, Birdlife, Transport & Environment, 2017: What impact has the Renewable Energy Directive had on EU forests?

http://www.fern.org/sites/fern.org/files/briefingLULUCFjune2017%20(2).pdf

Página 1, Tabela 1: Consumo de biomassa da Madeira para a produção de enrgia

2015: 439.841.000 m³

European Commission, 2014: Commission staff working document. State of play on the sustainability of solid and gaseous biomass used for electricity, heating and cooling in the EU

https://ec.europa.eu/energy/sites/ener/files/2014_biomass_state_of_play_.pdf

Página 28:

Energia de biomassa

UE 2012: 99 Mtoe (Million tons of oil equivalent= mega tonelada equivalente de petróleo)

= 62%: percentual da produção de energias renováveis na UE (=1,59 Mtoe) e

=8,7%: percentual de energia final consumido na UE

EU 2020: 139,5 Mtoe

= 57% é o percentual de produção de energias renováveis da UE, dos quais

- Calor: 90,4 Mtoe

- Transporte: 29,1 Mtoe

- Eletricidade: 20,0 Mtoe

Energia tirada de biomassa, conforme o país-membro da EU 2020

- França 21,6 Mtoe

- Alemanha 21,1 Mtoe

- Suécia 11,7 Mtoe

- UK 10,4 Mtoe

- Itália 9,8 Mtoe

AEBIOM 2017: European Bioenergy Outlook 2017. Key Findings

http://www.aebiom.org/wp-content/uploads/2017/10/KF17-v2.pdf

Consumo de energia final UE 2015

Energias fósseis e energia nuclear: 83%

Energias renováveis: 17%, das quais

- Bioenergia: 10%

- Energia hidrelétrica, eólica, solar, geotérmica: 7%

Produção de energia tirada de bioenergia na UE 2015: 112,342 Mtoe

Produção de conglomerados de madeira 2016

Mundial: 28.9 Milhões

EU: 14 Milhões, das quais

- Alemanha: 1,9 Milhão

- Suécia: 1,7 Milhão

- Lituânia: 1,4 Milhão

- Estônia: 1,2 Milhão

- França: 1,2 Milhão

- América do Norte: 9,9 Milhões

- Rússia e Ucrânia 2,6 Milhões

- Ásia (sem a China) 2,1 Milhões

- Resto do mundo 0,3 Milhão

Consumo de conglomerado de madeira UE 2016

21,7 Milhões

Importações de conglomerados de madeira UE 2016

América do Norte: 6,6 Milhões

Rússia e Ucrânia: 1,4 Milhão

Carta

Para: Comissão Européia, Parlamento Europeu, Conselho de Ministros, Países-Membros da UEE

Exmas. Sras., Exmos. Sres.,

A UE e seus países-membros estão planejando, no âmbito da política de energias renováveis, queimar cada vez mais madeira para o fim de produzir calor e eletricidade. Já agora a queima da madeira ocupa um porcentual de cerca de 50% na produção de energia renovável, enquanto a soma da biomassa chega até dois terços.

No entanto, vai mal o estado das florestas e da biodiversidade na Europa. Dois terços de todas as espécies de plantas e animais, bem como habitats, encontram-se, segundo informações do Ministério Alemão do Meio-Ambiente, em um estado ruim ou insatisfatório. O acervo numérico das espécies é drasticamente reduzido

Em vez de se focar na exploração econômica de florestas visando a maximizar a produção de madeira, são os aspectos ambientais que precisam ser colocados em primeiro plano. Além disso, mais áreas precisam ser resguardadas da exploração madeireira, devendo ser colocadas sob proteção.

Por favor, corrijam urgentemente a política bioenergética da UE e seus países-membros. Queimadas em massa de árvores e outras biomassas não é pró-meio-ambiente, tampouco pró-clima.

Por favor assine

Ajude-nos a atingir 150.000:

104.017
Atividades recentes