Caça furtiva

Leia mais

A caça furtiva virou um grande problema em muitos países da África, América do Sul e da Ásia, já que muitas espécies vivem ali cujas partes do corpo geram grandes lucros no mercado negro. Formam-se cada vez mais grupos criminosos que matam animais de forma ilegal. Este crime organizado tem graves conseqüências para a biodiversidade

Nos países do Sul, a caça furtiva comercial tem aumentado fortemente nos últimos anos. As razões para isso são, sobretudo, o agravamento da pobreza, a demanda crescente de produtos animais e uma exploração de áreas de floresta anteriormente intocada que se realiza rapidamente. Muitas espécies viraram raras e a sua carne e certas partes do corpo estão muito procuradas no mercado negro. Por causa da caça furtiva, inúmeras espécies estão ameaçadas de extinção ou já se extinguiram, porque os caçadores não tomam em consideração nem o grau de perigo de extinção nem os períodos de repouso biológico e as quotas de captura.

Aqui podem ler mais sobre a caça furtiva e sobre a questão de quais os fatores responsáveis pelo aumento da caça furtiva e da extinção de tantas espécies animais.

Ações recentes ao assunto

A sua assinatura pode ajudar a proteger as florestas tropicais! As nossas petições on-line viram-se contra projetos desastrosos e chamam os responsáveis pelos nomes. Juntos somos mais fortes!

Rinoceronte negro Rinoceronte negro (© Fyre Mael/CCBY2.0)

199.569 participantes

A China quer liberar o uso de rinoceronte como MEDICAMENTO!

A China anunciou, de surpresa, querer autorizar o comércio de chifre de rinoceronte em pó e ossos de tigre. O uso desses produtos na tradicional medicina chinesa deve, futuramente, voltar a ser permitido, embora eles não tenham efeito terapêutico algum. Rinocerontes e tigres estão gravemente ameaçados pela caça ilegal.

Mais informações

Para: Governo da República Popular da China

A China precisa manter a proibição de se comercializar chifre de rinoceronte em pó e ossos de tigre, pois esses animais já estão ameaçados de extinção.

Abrir a petição