Alumínio

Da tampa de iogurte à lata de bebidas ao desodorante – no nosso dia a dia, o alumínio desempenha um papel mais importante do que pensamos. Porém, para produzir alumínio, cada vez mais floresta tropical está sendo destruída, dado que 90 por cento da matéria-prima bauxita encontram-se em áreas tropicais.

A indústria adora o alumínio: por ser muito leve, é utilizado muito na construção de carros e aviões. No supermercado encontra-se na forma de milhares de embalagens diferentes. Mas o uso excessivo de alumínio está virando uma ameaça severa para as florestas tropicais deste planeta.

Para a extração da matéria-prima bauxita destroem-se as matas virgens nos trópicos. Durante o processamento forma-se a tóxica lama vermelha que contamina as águas e pode tornar-se em uma ameaça letal para a flora e fauna. Além disso, enormes quantidades de energia são necessárias para a transformação industrial. Para isso, grandes barragens são construídas e ainda mais floresta tropical é destruída. Povos indígenas perdem a terra natal deles. O clima global aquece-se.

Leia mais sobre alumínio nas nossas perguntas e respostas.

Ações recentes ao assunto

A sua assinatura pode ajudar a proteger as florestas tropicais! As nossas petições on-line viram-se contra projetos desastrosos e chamam os responsáveis pelos nomes. Juntos somos mais fortes!

Morador de Hamdallaye na mina de bauxita de Sangaredi A antiga aldeia de Hamdallaye teve de dar lugar para a mina de bauxita de Sangaredi. (© Benjamin Moscovici)

105.972 participantes

Não às garantias de crédito para minas de bauxita na Guiné

Ao dar uma garantia de US$ 293 milhões para uma mina de bauxita na Guiné, a Alemanha fomenta roubo de terras, destruição ambiental e violações de direitos humanos. Às custas da população local, a fome alemã de matérias-primas é saciada. Como financiadora do projeto e importadora de bauxita, a Alemanha tem responsabilidade nesse projeto.

Mais informações

Para: Ao Sr. Ministro da Economia, Altmeier

“Não a garantias creditícias para projetos que violam direitos humanos e padrões ambientais.”

Abrir a petição