Destruição do Cerrado: Comerciantes de soja punidos!

Onça-pintada no cerrado (Brasil) O cerrado e sua fauna é fortemente afetada pelas derrubadas. (© Angelika Hofer)

2 de jul de 2018

O Brasil está punindo multinacionais envolvidas na destruição do cerrado. Contra a Cargill, Bunge e outras empresas, foram aplicadas multas em valores milionários.

Segundo o IBAMA, essas firmas compraram 3.000 toneladas de soja cultivadas em áreas ilegalmente desmatadas no cerrado. O cerrado, ao lado da Amazônia, está no centro da destruição ambiental na América do Sul. Os esperados lucros da venda da soja devem ter financiado a derrubada.

Os cinco conglomerados empresariais devem, juntos, pagar, 6,7 milhões de dólares em multas. Além disso, uma dúzia de fazendeiros produtores da soja foram multados no valor de 21,8 milhões de dólares. A Bunge contesta a acusação, já a CARGILL alega que vai examiná-la.

A soja brasileira é usada preponderantemente como ração animal na Europa e nos Estados Unidos. Dentre os fregueses, está também o Burger King. Por favor, assine nossa petição.