Peru: tentativas de intimidar defensores do ambiente em Cajamarca

Agricultores olham para uma mina de ouro Os estragos da mineração a céu aberto

2 de jan de 2013

O assédio a defensores da vida e da natureza já é sistemático em muitos países. Conheça o que está acontecendo nestes momentos no Peru a membros da organização GRUFIDES.

No sábado 15 de Dezembro de 2012 em Cajamarca, Peru, à tarde, sujeitos desconhecidos irromperam pela segunda vez em três semanas no domicílio da advogada Mirtha Vásquez, coordenadora da área legal e de direitos humanos de Grufides. Na oportunidade anterior entraram na casa dela mas não roubaram nenhum de seus bens. Contudo, deixaram as portas completamente abertas. No último incidente romperam os vidros da janela da sala e ingressaram outra vez sem levar nenhum objeto de valor. Só que esta vez atuaram no breve espaço de tempo em que a filha mais nova de Mirtha Vásquez e a empregada doméstica saíram a passear no parque perto.

Na sexta-feira 14 de Dezembro sujeitos que ainda não foram identificados danificaram os espelhos da caminhonete de Sergio Sánchez, reconhecido perito ambiental de Grufides. Também não os roubassem, como costuma ser o propósito de delinqüentes comuns que depois vendem as auto peças roubadas no mercado negro. E há umas 5 semanas, uns sujeitos também ingressaram na habitação de Ivett Sánchez, secretária de Grufides. Nesta oportunidade também não foi roubado nada.

O fato de que os autores soubessem em todos os casos da ausência das pessoas indicaria que há mecanismos de regulamento ou de intercepção telefônica que permita aos perpetradores realizar seus crimes.

Todos estes fatos são inaceitáveis e devem ser denunciados para que as autoridades correspondentes possam encontrar os autores materiais o intelectuais desses incidentes que tencionam intimidar os ativistas ambientais da ONG Grufides.

Sendo que a CIDH concedeu a membros da ONG Grufides medidas cautelares pela espionagem telefônica, pelo regulamento e pelas ameaças de que foram objeto vários de seus membros no âmbito da conhecida “Operação Diabo“ responsabilizamos o Estado pelos fatos que pudessem afetar nossa integridade física.

Último minuto: por volta das 4 da tarde do domingo 16 de Dezembro informa-se desde a área da laguna azul na província de Celendín que dois jovens documentalistas alemães haveriam sido intervidos pelas forças da PNP-Dinoes contratadas por Yanacocha. O bloqueio de estradas e o impedimento do trânsito livre é a lei que a mineração impôs na zona.

Grupo de Formação e Intervenção para o Desenvolvimento Sustentável – GRUFIDES

Informação ampla sobre o caso no documentário “Operación Diablo“ (em espanhol).