Nota de apoio e solidariedade aos movimentos sociais de Tucuruí-PA

5 de mai de 2009

Nota de apoio e solidariedade aos companheiros do mab, via campesina, mst, cpt e associações de pescadores de tucurui – PA O Movimento Xingu Vivo para Sempre, formado por mais de 150 organizações sociais e indígenas da bacia do rio Xingu nos solidarizamos com os companheiros presos nas obras das eclusas de Tucuruí, durante justa manifestação com ocupação do canteiro de obras para reivindicar indenizações de atingidos pela barragem e recentemente pelas obras das Eclusas, que no decorrer das últimas duas décadas foram expulsos das áreas que viviam e trabalhavam a nunca foram indenizados, também reivindicam a interrupção da violência no campo, que nos últimos dias vitimou o sindicalista Raimundo Nonato do Carmo. Acusar os movimentos sociais de formação de quadrilha, interrupção de obras públicas e danos ao patrimônio público pelas forças policiais é um contrasenso em virtude desses movimentos estarem legitimamente reivindicando seus direitos humanos, sociais, culturais e ambientais ignorados ao longo dos anos pela Eletronorte, Eletrobrás e Ministério das Minas e Energia que só buscam beneficiar as empresas eletrointensivas em detrimento do povo trabalhador que mesmo às margens do lago de Tucuruí até hoje muitos não têm energia elétrica. Velha prática de descartar as populações locais e criminalizar os movimentos sociais que defendem os direitos humanos. Por isso repudiamos a ação violenta da polícia contra os integrantes do MAB, Via Campesina, CPT, MST, Fetagri, STRR, Associações de Pescadores e outros movimentos sociais que ocuparam as obras da Eclusa de Tucuruí para pressionar as autoridades para o atendimento das suas justas reivindicações. Nos impressiona as informações da Eletronorte que não existem pendências de indenizações de atingidos pelas barragem de Tucuruí em virtude de incontáveis depoimentos de atingidos que nunca foram atendidos. Porque a polícia em vez de atacar manifestantes que estão acampadas em um local público não vão atrás de assassinos e mandantes que vitimaram as lideranças sindicais e permanecem impunes? Exigimos a investigação do assassinato do sindicalista Raimundo Nonato do Carmo e de outras lideranças assassinadas, com a punição exemplar dos mandantes e executores. É de justiça social e combater a impunidade que os trabalhadores e trabalhadoras do Pará precisam. Quando falam de danos ao patrimônio público não consideram que o maior patrimônio é composto pelas pessoas com seus direitos respeitados e garantidos e não é isso que a Eletronorte e suas empreiteiras tem mostrado na execução dos seus projetos e dos seus interesses. Se o Pará é uma Terra de Direitos exigimos que o governo investigue e responsabilize a Eletronorte, a Eletrobras e suas empreiteiras pela violação dos direitos humanos contra as populações atingidas pela barragem de Tucuruí e suas eclusas. Altamira(PA), 27 de abril de 2009 MOVIMENTO XINGU VIVO PARA SEMPRE movimentoxinguvivoparasempre@yahoo.com.br