IKEA acaba com desmatamento na Carélia

Máquinas de desmatamento e troncos Esta imagem do desmatamento executado pela IKEA deve passar a pertencer ao passado

22 de fev de 2014

A IKEA põe fim ao desmatamento das últimas matas virgens na parte russa da Carélia. Há muitos anos a IKEA Industry (antigamente IKEA Swedwood) tem cortado árvores de séculos de idade com máquinas pesadas nas florestas boreais.

A IKEA Industry (antigamente IKEA Swedwood) anunciou em um comunicado de imprensa que, no futuro, queria concentrar a produção de madeira na Rússia no local de produção Tikhvin e fechar a usina na Carélia. A empresa alega razões econômicas.

“É bom que as motosserras e os tratores florestais devam estar em suspenso”, explica Klaus Schenck, responsável pelas questões florestais e energéticas de Salve a Selva. “As matas virgens não devem, de forma alguma, ser vendidas agora a outras empresas madeireiras, mas sim finalmente têm que ser protegidas por completo. Em outras localizações também, a IKEA tem que explorar a madeira de forma realmente respeitosa com o ambiente e socialmente compatível. Porém é duvidoso se isto é possível perante um consumo anual de aproximadamente 14 milhões de metros cúbicos de madeira.“

Linda Nordström Ellegaard da organização Protect the Forest diz: “Em conjunto com organizações ambientalistas da Rússia exigimos da IKEA, como uma empresa multinacional, que não deva explorar madeira em matas virgens intatas ou comprá-la dessas áreas, independentemente do fato se as florestas estão certificadas ou não.”

Em conjunto com Salve a Selva, ambientalistas na Suécia e na Rússia têm criticado o abate industrial pela IKEA já há muito tempo. A empresa desmata vastas áreas de florestas intatas com árvores de séculos de idade e com uma diversidade extraordinária de espécies animais e vegetais. As áreas são transformadas em plantações florestais monótonas. Enquanto os danos para a natureza e os solos são imensos, a IKEA faz lucros com a madeira explorada.

Até agora, a IKEA tem justificado os abates na Carélia com o fato de que a empresa FSC International certificou as áreas de florestas intatas. A FSC respondeu à crítica pronunciada por Salve a Selva sobre o abate das matas virgens com uma carta aberta, segundo a qual a FSC “não é um selo verde”. Contudo, no final de Janeiro de 2014, a Swedwood Karelia perdeu o certificado pela sua concessão florestal.

No Verão de 2012 Salve a Selva tinha lançado a ação de protesto “IKEA destrói florestas primárias para móveis”. Em Dezembro de 2012 as organizações ambientalistas suecas Protect the Forest e Friends of the Earth Sweden entregaram à IKEA 180 mil assinaturas de todo o mundo, 65 mil das quais foram recolhidas por Salve a Selva.