Havaí: Empresa de energia já não usa óleo de palma nas usinas elétricas

Vasta plantação de dendezeiros A razão principal pela destruição das florestas tropicais da Indonésia: plantações de dendezeiros

11 de jan de 2013

A maior empresa energética do Havaí acaba com a queima de óleo de palma depois de um período de teste. Em Outubro de 2010, Salve a Selva e a organização britânica Biofuelwatch se tinham juntado a ativistas no Havaí para protestar contra os planos para a combustão de óleo de palma em larga escala nas usinas elétricas da empresa havaiana HECO.

Mais de 21 mil pessoas enviaram cartas de protesto a HECO e ao governo havaiano. Antes, HECO tinha recebido a permissão para queimar quase 10 milhões de litros de óleo de palma, durante uma fase de teste, em duas usinas elétricas.

O óleo de palma foi fornecido por Sime Darby. O grupo de empresas da Malásia é um dos maiores produtores de óleo de palma do mundo e é famigerado pela destruição contínua das florestas tropicais e das turfeiras no Sudeste Asiático. Atualmente, Sime Darby também é responsável pela destruição de florestas virgens e por vários conflitos de terra na África Ocidental. HECO tentou enganhar o público e alegou que o óleo de palma utilizado tinha sido extraído de forma “sustenável“. Essa afirmação foi apoiada pelo Conselho de Defesa dos Recursos Naturais (NRDC) dos EUA por meio de um “Acordo de sustentabilidade“. A mídia no Havaí relatou extensamente sobre os protestos contra a combustão de óleo de palma para a geração de energia.

Não obstante, o período de teste foi realizado – um fato decepcionante, mas não surpreendente, dado que HECO já tinho adquirido o óleo de palma nessa altura. Porém, os protestos parecem ter tido um impacto a longo prazo:

Por um lado, HECO anunciou um êxito técnico, já que as usinas elétricas poderiam trabalhar com óleo de palma. Contudo, não se queimou mais óleo de palma desde então e a conversão proposta das usinas elétricas para óleo de palma parace ser suspendida por enquanto. Isso faz uma enorme diferença para a demanda mundial de óleo de palma e alivia assim as florestas e seus habitantes: através de uma conversão das usinas elétricas para combustível vegetal, HECO teria avançado para um dos maiores importadores de óleo de palma dos EUA.

Obrigado a todos que apoiaram os protestos. Vamos a manter-nos em contato com as organizações ambientais no Havaí e seguir de perto as evoluções futuras.