Voltar ao sumário

Ajuda para ambientalistas da Nigéria

Martins Egot e os guardas ecológicos Martins Egot rodeado de guardas ecológicos (© Mathias Rittgerott) Ambientalista Odey Oyama Odey Oyama persegue empresas agronegócio de monoculturas, bem como desmatadores que invadem o Parque Nacional Cross River (© Rettet den Regenwald / Mathias Rittgerott)

Guardas comunitários protegem nas Montanhas Afi o habitat dos gorilas, o povo Ekuri protege já há muitos anos a sua floresta comunitária e sensibiliza os habitantes de outras aldeias relativamente ao valor da floresta e da biodiversidade. Os ambientalistas nigerianos engajam-se pela proteção de sua terra natal de maneiras diversas.

Quando o pessoal do povo Ekuri, em março de 2016, advertiu a opinião pública mundial sobre a construção de uma “Superhighway” que passaria por dentro Parque Nacional Cross River, para nós da “Salve a Selva”, tinha ficado muito claro o seguinte: A ameaça era tão grande, que tivemos de colocar um dos focos do nosso trabalho na Nigéria. Desde então, fizemos contatos estreitos na África Ocidental, viajamos duas vezes para lá e encontramos vários protetores da natureza valentes e engajados, os quais apoiamos.

A iniciativa Ekuri e o Cacique Edwin Ogar

Primeiro a boa notícia: Os buldôzers da “Superhighway” foram detidos, e isso a título permanente. A oposição amarga do povo Ekuri contribuiu para que o Governador do estado federal de Cross River tenha desistido do projeto que lhe traria prestígio. Nós apoiamos o protesto com doações e uma petição que foi assinada por 459.437 apoiadores de todo o mundo.

Os Ekuri preservam a floresta tropical - a qual se estende a 33.600 hectares em torno de suas duas aldeias, conectando-se ao Parque Nacional Cross River - há décadas e com sucesso. A consciência acerca do valor inestimável da floresta, contudo, em outras comunidades, nem sempre é tão consolidada como no caso do povo Ekuri. O Cacique Edwin Ogar é também ativo no quesito propaganda para a proteção da natureza.

Martins Egot e DevCon

Ao norte do Parque Nacional estão sempre em movimento os guardas ecológicos nas florestas no entorno das Montanhas Afi. Lá vive o ameaçado Gorila de Cross River, além dele, mora lá o mandril, chimpanzés e muitos outros primatas.

Martins Egot da organização DevCon é responsável pelo treino de 60 guardas florestais em um número cada vez maior de aldeias. Ele informa e conecta as comunidades, fomentando a troca de experiências. Os guardas ecológicos colocam-se contra caçadores ilegais e incendiários, bem como comunica as infrações que constata às autoridades.

Odey Oyama e a RRDC

O protetor do meio ambiente Odey Oyama já enfrentou diversos poderosos. Ele deu a cara para bater no caso da Wilmar, um conglomerado de óleo de palma; acusou  Alhaji Aliko Dangote - o homem mais rico da África - de reduzir a floresta tropical a pó, e ainda atacou o Governador Alhaji Aliko Dangote, por conta de sua omissão. Agora o alvo de Odey é a máfia dos madeireiros. Junto com os moradores das aldeias, ele quer fiscalizar a derrubada ilegal e fazer com que os responsáveis prestem contas.

O desafio é enorme.

A Nigéria já perdeu grandes áreas de sua floresta tropical. Daí porque a selva no estado de Cross River, ao longo da fronteira com Camarões, tem um significado relevante para o povo local, os ambientalistas e as cientistas. Botânicos já listaram mais de 1550 espécies de plantas nessa floresta, dentre as quais 120 estão ameaçadas. Ornitólogos listaram 350 espécies de pássaros. Nas partes inferiores dos troncos das árvores, elefantes-da-floresta esfregam seus robustos corpos, enquanto na parte de cima chimpanzés e macacos colobos fazem exercícios acrobáticos.

As florestas estão ameaçadas, dentre outras causas, por monoculturas, caçadores e desmatamento ilegal em grande estilo.

Proteger florestas dá certo

O povo Ekuri e todos os outros povos tem fôlego enorme para proteger a natureza de sua terra natal. O impedimento da realização da “Supehighway” é testemunha da persistência deles. Lá a floresta reconquistou o caminho de vários quilômetros que fora aberto. A ferida está sendo curada.

Também o nosso apoio deve ser duradouro.

Cada centavo de euro ajuda.

Fatos sobre a sua doação

Utilidade pública A Salve a Selva é oficialmente reconhecida como de utilidade pública

Dados seguros Os seus dados são transmitidos de forma codificada.

A sua doação para a floresta tropical

,00

Você também pode digitar quanto deseja doar!

Atividades recentes