A “revolução verde” tem de ser feita sem cobre e níquel das florestas tropicais!

(Montagem de foto) Placa de trânsito com carro elétrico em frente de uma mina de lavra a céu aberto (Montagem) Placa de trânsito com carro elétrico em frente de uma mina de lavra a céu aberto (© CASCOMI - Collage RdR)

A Alemanha é uma das maiores consumidoras de metais do mundo, os quais são usados pela indústria em uma escala ecológica e socialmente insustentável. Agora, diz-se que carros elétricos salvariam o clima do colapso. No entanto, os insumos necessários para sua construção são totalmente importados, e muitos provém de florestas tropicais.

Notícias e Atualidades Apelo

Para: Governo Federal da Alemanha, Ministério da Economia, Energia e Meio-Ambiente

“Drástica redução do consumo de matérias-primas metálicas na Alemanha”

Abrir a petição

No Equador, a floresta amazônica está sendo derrubada para dar lugar a uma mina de cobre. As águas residuais deixadas pela mina a céu aberto contaminam os rios. O povo indígena Shuar está perdendo as suas condições de vida. Só com seus protestos, eles não foram capazes de deter a abertura dessa mina. Agora, esse cobre está sendo transportado para a China, onde é usado na construção de baterias de carros elétricos. Assim, o cobre equatoriano vai parar nos carros elétricos alemães.

Na Indonésia, também está havendo protestos. Em Sulawesi, florestas tropicais e manguezais estão sendo derrubados para dar lugar a minas e fundições de níquel. Resíduos tóxicos oriundos da produção de níquel são lançados no mar. Isto afeta recifes de corais, animais marinhos e a comunidade pescadora, cujas condições de vida são roubadas. Como importante componente das baterias de lítio-íon, esse níquel também acaba parando na Alemanha.

A Alemanha é uma das maiores importadora de matérias-primas metálicas do mundo, sendo a indústria automobilística e o setor de construção seus principais consumidores. Automóveis demandam muita matéria-prima, e isto vale tanto para veículos convencionais como para os elétricos. Ocorre que sua exploração está comumente ligada a violações de direitos humanos e a destruições do meio-ambiente. A mineração é um dos maiores perigos para os ecossistemas da Terra.

O “boom" dos carros elétricos agrava esse problema, pois sua construção demanda enormes quantidades de matérias-primas, que são exploradas, processadas e transportadas pelo planeta todo. Milhões de carros elétricos novos, portanto, não vão conseguir proteger o clima, tampouco resolverão todos os outros problemas gerados pelo pesado tráfego de automóveis, como construção de rodovias, barulho do trânsito, acidentes ou emissões críticas de partículas finas e outros poluentes.

Nós reivindicamos do governo federal alemão, em conjunto com a PowerShift, que impulsione uma revolução não só na mobilidade, mas também nas matérias primas usadas pela indústria - e que seja social, ecológica e pró-clima.

Mais informações

Links para 2 fact sheets de duas páginas sobre a mina de cobre no Equador e as minas e fundição de níquel na Indonésia.

- Informativo sobre a mina de cobre Mirador:

https://www.regenwald.org/files/de/Kupfermine_Mirador_Ecuador-11-21.pdf

- Informativo sobre minas metálicas sobre quatro rodas: o cobre contido nos carros elétricos:

https://www.regenwald.org/files/de/Infoblatt-Kupfer-in-E-Autos-11-21.pdf

- Informativo sobre o conglomerado minerador de cobre TNMG: cobre da floresta amazônica para carros elétricos na Alemanha:

https://www.regenwald.org/files/de/Infoblatt-TNMG-30-11-21.pdf

- Comunicado à imprensa conjunto: o cobre e o níquel contido nos carros alemães destroem a floresta tropical:

https://www.regenwald.org/pressemitteilungen/10530/in-deutschen-autos-genutztes-kupfer-und-nickel-zerstoeren-regenwald

Carta

Para: Governo Federal da Alemanha, Ministério da Economia, Energia e Meio-Ambiente

Excelentíssimas Senhoras e Senhores,

A Alemanha é uma dos maiores consumidoras de matérias-primas metálicas do mundo, dentre as quais se inclui o cobre e o níquel. Ocorre que a exploração dessas matérias-primas está quase sempre ligada a violações de direitos humanos e a graves destruições do meio-ambiente. A mineração é um dos maiores perigos para os ecossistemas da Terra, dentre eles as florestas tropicais remanescentes, os recifes de corais, rios, mares, bem como lugares de alta biodiversidade.

Não bastasse, só a mineração e o processamento do minério de ferro são responsáveis, sozinhos, por cerca de 11% das emissões globais de CO2 e, portanto, impulsionadores da crise climática.

Em consequência, reivindicamos do governo federal alemão - sobretudo do Ministério da Economia, que é o responsável por conduzir as políticas relativas às questões de matérias-primas - que trabalhe ativamente para reduzir o consumo alemão de metais primários. Reivindicamos o seguinte:

1.) Que seja reduzido, drasticamente, o consumo de matérias-primas exploradas por meio da mineração.

2.) Que sejam criadas, até o ano de 2030, metas de redução claras e quantíficáveis no que tange ao consumo de matérias-primas para aplicação na área de trânsito e mobilidade.

3.) A imediata transição para uma economia circular, a qual contenha regras claras a respeito de matérias-primas e produtos mais duráveis, reparáveis e recicláveis.

4.) A proteção do clima, o respeito aos direitos humanos, a proteção do meio-ambiente e da biodiversidade (como, por exemplo, a proteção das florestas tropicais), precisam preponderar sobre a provisão da indústria com matérias-primas.

Saudações cordiais

Notícias e Atualidades

Esta petição está disponível, ainda, nas seguintes línguas:

83.049 participantes

Ajude-nos a atingir 100.000:

Atividades recentes