Parem de queimar aldeias por causa de óleo de palma!

Elefante-da-floresta com cria Elefantes-da-floresta ainda vivem em vários países africanos, mas seu habitat vem desaparecendo (© Thomas Breuer / Mbeli Bai Study – WCS)

A produção de óleo de palma na Nigéria é um negócio destrutivo e violento. É por causa de empresas como a OOPC que florestas estão desaparecendo em um ritmo impressionante. Além disso, as condições de vida da população são destruídas e seus direitos humanos são violados. Por favor, apoie-a com a sua oposição.

Apelo

Para: Presidente Muhammadu Buhari e Governador Godwin Obaseki

“Para explorar o dendê, a firma Okomu Oil Palm Plc destrói matas, rouba a população e viola os seus direitos. Por favor, proteja a natureza e as pessoas.”

Abrir a petição

No dia 20-05-2020, a aldeia sul-nigeriana Ijaw-Gbene pegou fogo. Testemunhas apontam como responsáveis seguranças da firma Okomu Oil Palm Plantation Plc (OOPC), os quais teriam agido em conjunto com membros do Exército. Antes disso, três aldeias tinham sido incendiadas em circunstâncias semelhantes.

A OOPC nega qualquer responsabilidade.

O incidente deixara agricultores locais e pescadores desabrigados, bem como destruiu seus pertences. Os 80 habitantes da aldeia tiveram de procurar abrigo em comunidades vizinhas e igrejas, expondo-se a um risco elevado de infecção pelo coronavírus.

A OOPC pertence ao Grupo Socfin, o qual explora monoculturas de palmas de óleo e borracha em dez países africanos e asiáticos, sendo controlado pelos empresários Vincent Bolloré (francês) e Hubert Fabri (belga), cuja reputação não é nada boa; onde quer que a Sofcin atue, a população local reclama de seus métodos violentos, seja em Camarões, Libéria, Serra Leoa, Costa do Marfim ou o Camboja.

No reino de Okumu – uma comunidade tradicional nigeriana – a Socfins explora dendê em 33.000 hectares nas terras tradicionalmente ocupadas pelos nativos dos municípios locais. Eles alegam que jamais teriam concordado em entregar para a monocultura a terra de seus antepassados. Ademais, as plantações chegam a alcançar até áreas de floresta protegida, as quais abrigam espécies em perigo como o chimpanzé, o elefante-da-floresta e o macaco-de-ventre-vermelho.

Em uma carta coletiva de 04-09-2020, municipalidades pediram ao Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, que este tome medidas contra a OOPC. O conflito com essa firma não é um caso isolado, mas sim sintomático para o negócio global do óleo de palma.

Por favor, apóie com a sua assinatura a luta das comunidades locais pelos seus direitos e pela floresta.

Mais informações

Reproduzimos aqui a carta escrita pelas comunidades afetadas pela Okomu Oil Palm Plantation (OOPC) ao Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, e ao Governador do estado de Edo, Godwin Obaseki:

SOCFIN and her subsidiary Okomu Oil Palm Company PLC rights violations in Edo State Communities/Villages: An S.O.S.

Your Excellency,

President Muhammadu Buhari

President and Commander in Chief of the Armed Forces Federal Republic of Nigeria

Govemment House, Aso Rock, Abuja, Nigeria.

Dear Sir,

The Okomu Oil Palm Company Plc was established in 1976 as a federal government project and was privatized in 1979. Now, the Socfin Group is the majority owner.

The activities of the company over the years have been caracterized by violations of citizens rights. Some of the violations accusations against Okomu Oil Palm Cornpany Plc ranges from locking out citizens of their host communities from the entrance to their communities to harassment of outspoken indigenes of their host communities with security agencies, circumvention of the global principles of free, prior and informed consent, land grabbing, destruction of citizens livelihoods, use of brute force and military might to dislodge, dislocate and disperse villages and settlements within their areas of operation. In all of these, citizens fundamental rights are thrown over board. In years past, Okomu Oil Palm Company Plc security forces in collaboration with men of the Nigerian Army have burnt down and dispersed villagers of Agbede, Oweike, Lehmon and recently on the 20th day of May, 2020 the village of Ijaw-Gbene on flimsy excuses and at this time of corona virus pandemic. We understand that the company may claim to be contributing to the Edo State Government's internally Generated Revenue, but at what expense? We cannot continue to accept a practice of profit above humans syndrome that has been typical of the operations of Okomu Oil Palm Company PIc/SOCFIN groups in Nigeria and Africa. Business must respect human rights and where these are in danger, the government must protect her citizens and remedy must be provided for victims, after all, Nigeria not only supported but also promoted the promulgation of the United Nations Guiding Principles on Business and Human Rights and Okomu Oil Palm Company Plc should not be allowed to continue to act with impunity!

A report published in 2017 (1) shows how the company encroached on forest reserves and customary lands without consent or adequate compensation to the impacted communities. This land grabbing and forest destruction has put the livelihoods of over 60,000 forest-dependent people on the edge and increasing hunger and social conflicts. The report exemplifies both human rights vioiations as well as biodiversity destruction and water pollution. The report also analyses breaches of the Forestry Laws of Nigeria, among others, and occupation of part of the land illegally by the company.

Your Excellency Sir, based on the above, we humbly make the following requests:


1. A holistic and independent investigation into the acquisition of the large acres of the reserved and other community lands by Okomu Oil Palm Company Plc.

2. An investigation into the use of military and their security forces to destroy their host villages especially the recent one that occurred on the 20th May 2020.

3. That the company be directed to stop forthwith any form of attacks on their host viilages/communities but should treat them as equal stakeholders and immediateiy unlock the gates that are the entrance and exit routes for communities liaising with them on how to secure the access routes.

4. That the perpetrators who bumt down Agbede, Oweike, Lchmon and ljaw-Gbene should be fished out and brought to book and adequate compensations/damages paid to the victims of those violent destructions.

5. That in the interim, you use your good offices to direct the provision of relief materials for the people of Ijaw-Gbene who are the most recent victims in terms of food, clothes, utensils and shelter.

6. In the long-term, the Government should thoroughly investigate the disrespect of the law by the Okomu Oil Palm Company Plc. especialiy as it relates to lack of due process in the acquisition of some of the lands where they have their plantations and where found culpable, the company should be compelled to leave the illegally occupied land with other deterrent and punitive sanctions imposed.

7. The Governrnent should ensure that Okomu Oil Palm Company Plc stop forthwith their destruction, pays compensation for the destructions and losses caused to the communities as well as general and exemplary damages for the biodiversity destructions.

It is our further humble request Your Excellency that:

  • Before any further development of oil palm or rubber production, a negotiation, survey, documentation and a genuine environmental and social impact assessment must be immediately carried out on the entire land occupied by Okomu Oil Palrn Company Plc. A failure to do so and to abide by the new terms should earn the company a status of an illegal occupier.
  • Free, Prior, and Informed Consent (FPIC) is an internationally enforceable right, therefore Okomu Oil Palm Company Plc should go back to status quo ante to right the wrongs against Okomu communities or vacate the area totally.
  • Okomu Oil palm Cornpany Plc must urgently rebuild and reinstate the four commtinities forcefully evicted, restore the environment and properties extirpated and pay compensation for the farms and crops destroyed in all their communities and villages impacted by their operations.
  • Okomu Oil Palm Compatty Plc should conduct a medical check and treatment for the people of Okomu communities as a result of the pollution of the creek due to the agrochemicals used for the development of their palms and rubbers.
  • Okomu Oil Palm Company Plc must as a matter of urgency return the boats, fishing traps and hooks seized from the 35 women for their sustainable economic Iivelihood and pay compensation immediately.
  • That henceforth promises ade by the company in the area of health, education, road and employment must be fulfilled and a yearly cooperate social responsibilities must be agreed on with a time frame aftached via a well-documented Memorandum of Understanding (MoU)./
  • Failure to comply with the above, Okomu Oil Palm Company Plc must be held responsible for any break down of law and order that might arise as a result of the non compliance.

Your Excellency sir, we are available, willing and ready to provide further information and evidence where needed as we await your fatherly favourable response to our above humble requests.

Yours faithfully,

-----------------------------------------------

1 Uwaka, Rita, Chlma Williams and Nosa Tokunbor (2017): Deforestation, Land Grabbing in Edo State - lmpacts of Okomu oil palm plc operations on Community Land's and tt.re Environment", published by Environmental RightsAction / Friends of the Earth Nigeria

Carta

Para: Presidente Muhammadu Buhari e Governador Godwin Obaseki

Exmo. Sr. Presidente Muhammadu Buhari,
Exmo. Sr. Governador Godwin Obaseki,

Em 20 de maio de 2020 a aldeia sul-nigeriana Ijaw-Gbene pegou fogo. Testemunhas apontam seguranças da empresa Okomu Oil Palm Plantation Plc (OOPC) de responsabilidade pelo incêndio, em conjunto com membros do Exército.

A OOPC afasta de si qualquer responsabilidade.

O incidente de maio de 2020 deixou os agricultores locais e pescadores desabrigados, tendo sido todos os seus pertences destruídos. Os 80 habitantes da aldeia tiveram que procurar abrigo nas comunidades vizinhas e em igrejas, tendo sido expostos a riscos elevados de contaminação pelo coronavírus.

Em uma carta coletiva escrita em 04-09-2020, comunidades locais pedem que sejam tomadas medidas contra OOPC. Nós aderimos a essas reivindicações.

Nós estamos lhes pedindo o seguinte:

- garantam que a OOPC pare de atacar aldeias e respeite os direitos humanos da população;
- garantam que a OOPC pare de destruir a natureza;
- investiguem minuciosamente se a OOPC violou disposições legais e quais. Em caso de violação, a empresa precisa ser obrigada a deixar terras ocupadas ilegalmente. Ademais, é necessário que sejam impostas sanções punitivas e desencorajadoras;
- garantam que a OOPC pare de imediato com as destruições e indenize as comunidades pelas perdas sofridas, a fim de que isto sirva como exemplo para desencorajar a destruição da biodiversidade.

Cordiais saudações

Tema

A situação – florestas tropicais nos tanques e nos pratos

Com 66 milhões de toneladas por ano, o óleo de palma é o óleo vegetal mais produzido no mundo. Nos últimos anos, as plantações de óleo de palma já se estenderam, mundialmente, a mais de 27 milhões de hectares de terras. Florestas tropicais, pessoas e animais já tiveram de recuar uma área do tamanho da Nova Zelândia para dar lugar ao “deserto verde”.

 O baixo preço no mercado mundial e as qualidades de processamento estimadas pela indústria levaram a que um em cada dois produtos no supermercado contenha óleo de palma. Além de ser encontrado em pizzas prontas, bolachas e margarina, o óleo de palma também está em cremes hidratantes, sabonetes, maquiagem, velas e detergentes.

O que poucas pessoas sabem: na União Europeia 61% do óleo de palma importado é usado para produzir energia: 51% (4,3 milhões de toneladas) para a produção do biodiesel, bem como 10% (o,8 milhões de toneladas) em usinas para a produção de energia e calor.

A Alemanha importa 1,4 milhões de toneladas de óleo de palma e óleo de semente de palma: 44% das importações de óleo de palma (618.749 t) foram utilizados para fins de produção de energia, dos quais 445.319 t (72%) foram utilizados para a produção de biocombustível, ao passo que 173.430 t (28%) foram usados para produzir energia e calor.

Com isso, a equivocada política de energia renovável da Alemanha e da UE é uma importante causa para a derrubada de florestas tropicais. A mistura de biocombustível na gasolina e no óleo diesel é obrigatória desde 2009, por determinação de diretiva da União Européia.

Ambientalistas, ativistas de direitos humanos, cientistas e e até mesmo a maior parte dos parlamentares europeus reivindicam, reiteradamente, a exclusão do óleo de palma do combustível e das usinas a partir de 2021. Em vão. Em 14 de junho de 2018, os membros da UE decidiram continuar permitindo o uso do óleo de palma tropical como “bioenergia” até o ano de 2030.

As alternativas: Por favor, leia as informações sobre a composição dos ingredientes na embalagem, deixando na prateleira os produtos que contém óleo de palma. Já na hora de abastecer, não há outra opção: a única solução é a bicicleta ou os meios de transporte públicos

As consequências: perda de matas, extinção de expécies, expulsão de nativos e aquecimento global

Nas regiões tropicais ao redor do Equador, o dendezeiro (elaeis guineensis) encontra condições ideais para o seu cultivo. No Sudeste Asiático, na América Latina e na África, vastas áreas de floresta tropical são desmatadas e queimadas todos os dias a fim de gerar espaço para as plantações. Desta forma, quantidades enormes de gases com efeito-estufa são emitidas na atmosfera. Em partes do ano de 2015, a Indonésia – a maior produtora de óleo de palma – emitiu mais gases climáticos do que os EUA. Emissões de CO² e metano levam a que o biodiesel produzido a partir de óleo de palma seja três vezes mais nocivo para o clima do que o combustível tirado do petróleo.

Mas nem só o clima global está sofrendo: juntamente com as árvores, também desaparecem raras espécies animais como o orangotango, o elefante-pigmeu-de-bornéu e o tigre-de-sumatra. Muitas vezes, pequenos agricultores e indígenas que habitam e protegem a floresta são deslocados da terra deles de forma violenta. Na Indonésia, mais que 700 conflitos de terra estão relacionados com a indústria de óleo de palma. Até nas plantações declaradas como “sustentáveis” ou “ecológicas”, sempre violam-se, reiteradamente, direitos humanos.

Nós, consumidores, não sabemos muito disto. Porém, o nosso consumo diário de óleo de palma também tem efeitos negativos para a nossa saúde: o óleo de palma refinado contém grandes quantidades de ésteres de ácidos graxos, que podem interferir no patrimônio hereditário e causar câncer.

A solução – revolução dos tanques e dos pratos

Hoje em dia, somente 70 mil orangotangos vivem nas florestas do Sudeste Asiático. A política do biodiesel na UE leva os antropóides à beira da extinção: cada nova plantação de dendezeiros destrói um pedaço do espaço vital deles. Para ajudar os nossos parentes, temos que aumentar a pressão sobre a política. Mas no seu dia a dia existem várias opções para agir!

Estas dicas simples ajudam a encontrar, evitar e combater o óleo de palma:

  1. Cozinhe e decida por si mesmo ingredientes frescos, misturados com um pouco de criatividade, fazem empalidecer qualquer refeição pronta (que contenha óleo de palma). Para substituir o óleo de palma industrial, podem-se utilizar óleos europeus como óleo de girassol, colza ou azeite ou, no Brasil, óleo de côco, de milho (não modificado geneticamente!) ou – se você conhece a origem – óleo de dendê artesanal.

  2. Ler as letras pequenas: na União Europeia, as embalagens de alimentos têm que indicar desde Dezembro de 2014 se o produto contém óleo de palma.1 Em produtos cosméticos e de limpeza esconde-se um grande número de termos químicos.2 Com um pouco de pesquisa na Internet, podem-se encontrar alternativas sem óleo de palma.

  3. O consumidor é o rei: Quais produtos sem óleo de palma são oferecidos? Por que não se utilizam óleos domésticos? Perguntas ao pessoal de vendas e cartas ao produtores exercem pressão sobre as empresas. Esta pressão e a sensibilização crescente da opinião pública já fizeram com que alguns produtores renunciassem o uso de óleo de palma nos próprios produtos.

  4. Petições e perguntas a políticos: protestos on-line exercem pressão sobre os políticos responsáveis por importações de óleo de palma. Você já assinou as petições da Salve a Selva?

  5. Levante a sua voz: manifestações e ações criativas na rua tornam o protesto visível para a população e a mídia. Assim, a pressão sobre decisores políticos ainda cresce.

  6. Transporte público em vez de carro: se possível, ande a pé, de bicicleta ou use o transporte público.

  7. Passe os seus conhecimentos: a indústria e a política querem fazer-nos crer que o biodiesel seja compatível com o ambiente e que plantações de dendezeiros industriais possam ser sustentáveis. Salveaselva.org informa sobre as consequências do cultivo de dendezeiros.

Esta petição está disponível, ainda, nas seguintes línguas:

69.390 participantes

Ajude-nos a atingir 100.000:

Atividades recentes