Não sacrifiquem o recife de corais pela indústria de cruzeiros!

Navio cruzeiro no Caribe Navio cruzeiro no Caribe (© James Willamor - CC BY-SA 2.0) Recife de corais Recife de corais (© CC BY-SA 4.0)

O plano é maluco: as Ilhas Cayman querem construir um píer para atracação de navios cruzeiros em cima de um recife de corais! O objetivo é que, com isso, mais turistas visitem George Town. Para o mundo submarino caribenho, o projeto seria fatal. Ambientalistas locais querem impedi-lo.

Apelo

Para: À administração da Royal Caribbean, Carnival, MSC, Disney e outras empresas de cruzeiros marítimos

Em cima dos recifes de corais de George Town deve ser construído um píer para a atracação de navios cruzeiros. Parem com esse projeto!

Abrir a petição

O Caribe remete a praias com areias claras, água cristalina e recifes de corais de tirar o fôlego. Por isso, as Ilhas Cayman são um destino de sonhos para mergulhadores. O nome dado ao mais conhecido recife da capital George Town - "Eden Rock" não é, de forma alguma, exagerado.

Porém, o governo parece não estar nem aí com esse tesouro, visto que está planejando construir um píer para a atracação de navios cruzeiros em cima do coral de recifes, cujo objetivo é atrair mais turistas.

Atualmente, até oito navios cruzeiros ancoram simultaneamente fora do porto, sendo os turistas levados à terra firme por meio de pequenos botes. Futuramente, as companhias de navegação não vão querer mais ancorar navios grandes, ameaçando tirar de suas paragens destinos cujos portos não tenham píer. O governo, aparentemente, vendo que a renda advinda do turismo está a perigo, prepara-se para se curvar ao desejo dos conglomerados turísticos.

As companhias de navegação MSC, Carnival, Royal Caribean e Disney seduzem o governo por meio de promessas de participação nos custos. Já com relação aos danos ecológicos, as Ilhas Cayman precisam se virar sozinhas.

Seis hectares de recifes de corais e uma enorme extensão do leito marinho será esbugalhada e remexida e, consequentemente, destruída para sempre. Por causa da areia remexida, a água ficará turva e leitosa. Onde até agora os corais com seus esqueletos de calcário criavam um habitat de bastante diversidade, vai dominar o concreto. A transferência do complexo ecossistema para águas não afetadas, segundo biólogos marinhos, é impossível.

Ambientalistas locais pressionaram o governo a consultar a população por meio de um referendo, cuja data de realização ainda está em aberto. Enquanto isso, eles estão procurando apoio internacional. Por favor, ajude-os, assinando esta petição.

 

Mais informações

As Ilhas Cayman são um território ultramarino britânico. Elas são conhecidas por serem um paraíso fiscal, além de serem a quinta maior localidade de serviços financeiros do mundo. Cerca de 200 mil firmas são registradas nas Ilhas Cayman. A maioria dos bancos internacionalmente ativos tem filiais lá. Além disso, cerca de 40% de todos os hedge fonds tem sede nas Ilhas Cayman, resultando, com isso, no local de maior concentração de hedge fonds do mundo. Os locais preferem a expressão “offshore financial center” em vez de “tax heaven”.

As Ilhas Cayman não tributam renda, tampouco empresas, financiando-se através de taxas alfandegárias e outras taxas.

O turismo é bastante significativo. Nas águas da capital, George Town, com seus 32 mil habitantes, ancoram, às vezes, oito navios ao mesmo tempo, ocasião em que a pequena cidade fica encharcada com até 20 mil turistas. A população total das três Ilhas Cayman é de 61.559 pessoas.

 Aos olhos dos ambientalistas, o projeto do píer é “pouco transparente”. Os custos da construção variariam entre 150 e 300 milhões de dólares americanos e seriam, com isso, os mais caros da história dos territórios ultramarinos britânicos. A empreitada, possivelmente, será executada pela “China Harbour Engineering Company”.

O famoso cientista marítimo Jean-Michel Cousteau faz uma advertência sobre os custos do projeto e escreveu o seguinte para o Ministério do Turismo e do Meio-Ambiente: “Não é fazer compras que atrai as pessoas para as Ilhas Cayman, e sim, o patrimônio natural. Os recifes já estão estressados por causa da mudança do clima, da pesca excessiva e da adubação crescente. Para conservar os recifes de Cayman, é preciso que seja reduzido – e não aumentado – o impacto humano.” (Citação original em inglês: Shopping on Grand Cayman is not what draws people to the island — it is the natural environment. The reefs are already stressed from climate change, over-fishing, and increased nutrient input. Maintaining Cayman’s reefs requires that we reduce human impact, not increase it.)

Carta

Para: À administração da Royal Caribbean, Carnival, MSC, Disney e outras empresas de cruzeiros marítimos

Exmas. Sras., Exmos. Sres.,

Água cristalina, um sem-número de peixes alegremente coloridos, maravilhosos recifes de corais e praias – um cruzeiro no Caribe é o sonho de muitos turistas da América do Norte e da Europa. Vossas empresas sabem disso e anunciam suas viagens usando essas paradisíacas imagens.

Turistas, no entanto, poderiam entrar em alerta, caso percebam que as companhias de cruzeiros marítimos colaboram com a destruição do ecossistema que eles querem desfrutar, como, por exemplo, o das Ilhas Cayman.

O governo das Ilhas Cayman está planejando construir um píer para atracação de cruzeiros no porto de George Town. É sabido que que companhias de cruzeiros marítimos costumam pressionar pequenos estados-ilha (como, por exemplo, as Ilhas Cayman) a construir essas obras marítimas, ameaçando-os de que, doutro modo, não mais ancorariam seus navios nesses locais.

A construção do píer e o impacto ambiental gerado pelo elevado tráfego de navios em áreas ecologicamente sensíveis destruiria o extraordinário recife de corais. De acordo com biólogos marinhos, o deslocamento de recifes ou uma compensação dos danos não é possível. Os recifes – habitat de numerosas espécies de peixes, conchas, crustáceos, cardumes e plantas – estariam perdidos para sempre.

A destruição dos recifes de corais e do ecossistema marinho é inaceitável! Os habitantes das Ilhas Cayman lutam já há anos pela conservação do meio-ambiente. Agora, eles estão pedindo ajuda da comunidade internacional, reivindicando o seguinte:
- Não apoie a construção do píer no porto de George Town, nas Ilhas Cayman;
- Protejam os recifes de corais, em vez de destruí-los;
- Não iniciem, fomentem ou financiem qualquer projeto que causem danos ou destruam recifes de corais, mangues e outros ecossistemas marítimos;
- Deem suporte à proteção do ecossistema marinho no Caribe e no mundo todo.

Cordialmente

Esta petição está disponível, ainda, nas seguintes línguas:

116.659

Ajude-nos a atingir 150.000:

Atividades recentes